Espiritualidade Redentorista

A espiritualidade missionária redentorista pode ser articulada no grito de Paulo na sua primeira carta aos Coríntios: “Ai de mim se eu não evangelizar!” (1Cor 9,16). É este o título da Communicanda 2 (1999), que é uma reflexão do Superior Geral Redentorista Pe. Joseph Tobin sobre a espiritualidade missionária redentorista. Quais são, entre outros, os atributos dessa espiritualidade missionária "?

 

  • A Missão como Vocação

Jesus Cristo chamou os Redentoristas e os que participam do carisma redentorista para serem enviados como seus "colaboradores, companheiros e ministros na grande obra da Redenção …[anunciar] a Palavra de Deus aos pobres " (Const. 2).

 

A evangelização é ao mesmo tempo obra de Deus e nossa, por meio da ação do Espírito Santo – o mesmo Espírito que desceu sobre Jesus no momento do seu batismo, pousou sobre ele, ungiu-o e enviou-o para "levar a Boa Nova aos pobres " (Lc 4,18). Santo Afonso referiu-se com freqüência a Lucas 4,18-19 declarando que a missão de Cristo é a missão da Congregação. Assim, nós somos chamados para “proclamar um ano de graça do Senhor”: libertação para os cativos, recuperação da vista para os cegos e liberdade para os oprimidos.

 

  • Pessoa de Cristo está no centro da Vida Missionária Redentorista

Diz a Constituição 23: "Chamados a continuar a presença de Cristo e sua missão de redenção no mundo, escolhem os Redentoristas a pessoa de Cristo como centro de sua vida. Esforçam-se por se unir sempre mais a Ele ". Para os Redentoristas, e para todos os que participam da missão redentorista na Igreja, uma característica essencial dessa espiritualidade missionária é uma íntima comunhão com Cristo.

 

  • A Conversão Missionária

A proclamação da Palavra de Deus tem como finalidade a conversão. Os que participam da missão redentorista na Igreja não podem pregar a conversão, a não ser que eles mesmos se convertam cada dia (RM 47; Const. 40-42). A espiritualidade redentorista não pode limitar-se a uma teoria: deve ser vivida; deve ter algumas conseqüências práticas nas vidas dos Redentoristas e daqueles que participam do carisma redentorista. Assim se tornam testemunhas e apóstolos da conversão.

 

  • O Primeiro Meio de Evangelização é o Testemunho

Disse o Papa Paulo VI: “Antes de mais, o Evangelho há de ser proclamado pelo testemunho.” (EN 21) A comunhão encontrada entre os Redentoristas e os colaboradores redentoristas pode por si só “fazer aflorar no coração daqueles que os vêem viver, perguntas indeclináveis …Um semelhante testemunho constitui já uma proclamação silenciosa da Boa Nova.” (EN 21) A comunhão entre os Redentoristas e seus parceiros na missão é por si mesma uma eficaz presença do Reino de Deus; criar assim comunidade entre os Redentoristas e os colaboradores leigos é um primeiro sinal evangélico.

 

  • A Coragem Missionária

Desde os primeiros encontros dos Redentoristas com os pobres do Reino de Nápoles, a história da Congregação tem sido marcada pelo valor de muitos de seus membros e de outros mais numerosos ainda, que têm participado do carisma da Congregação. Essa herança de coragem é não apenas a origem de futuras iniciativas missionárias; é também o fruto oferecido a nós pela "nuvem de testemunhas" que rodeia a Congregação: todos os Redentoristas e seus colaboradores do passado e do presente que "se esvaziaram a si mesmos" por amor à pessoa e à missão de Cristo.

 

  • A Contemplação Missionária

A experiência nos tem ensinado que o espírito de contemplação não só leva a uma atividade evangelizadora mais eficiente, mas também nasce dessa atividade. Adaptando uma afirmação do Concílio Vaticano II sobre a liturgia, podemos dizer que o espírito de contemplação é o ápice e a fonte da missão redentorista. Se o missionário, o Redentorista ou o cooperador, não for um contemplativo, ele não pode proclamar Cristo de um modo crível. O retrato tradicional do Redentorista como “Cartuxo dentro e apóstolo fora” lembra a todos os que participam do carisma redentorista que somos pessoas de vida ativa com corações contemplativos.

 

  • A Paciência Missionária

Uma imagem bíblica para a obra da evangelização é a do semeador e da semente. A semente semeada é a Palavra de Deus. A Palavra levada pelos missionários redentoristas aconselha a paciência quando os resultados imediatos não se podem ver (Tg 5,7). É Deus que dá o crescimento (1Cor 3,6).

 

Texto extraído

“Chamados à comunhão para Missão”

Secretariado Geral para os Leigos

Congregação do Santíssimo Redentor

Santos e beatos redentoristas

Clique e saiba mais sobre os Santos e Beatos Redentoristas

Santo Afonso

Beato Domingos

Beato Januário S.

São Clemente

Beato Francisco 

Beato Zenão K.

São Geraldo

Beato Ivan Ziatyk

S. João Neumann

Beato Gaspar S.

Beato Pedro D.

Beato Nicolau C.

Beato Basílio V.